Carregando...
0 Item



Ofertas por e-mail

Cadastre-se para receber ofertas
exclusivas por e-mail

Brasil é o quarto país em mortes por acidentes de trabalho

Postado em 02/06/2015 @ 9:06 AM

Desde sempre, homens e mulheres buscam formas de se proteger, minimizando os efeitos dos perigos inerentes às atividades humanas. É algo natural, do instinto de preservação da espécie. Nas atividades laborais, principalmente naquelas que exigem maior esforço físico e que envolvem riscos, o uso de equipamentos de proteção individual, os chamados EPIs, é imprescindível. Tão fundamental que a legislação obriga o uso de itens, como os calçados de segurança. Os pés, aliás, são uma das partes do corpo que mais merecem atenção. Os calçados podem assegurar proteção contra choques elétricos, agentes térmicos, cortantes e escoriantes, além de proteger contra a umidade e respingos de produtos químicos.

O Brasil ocupa o triste quarto lugar no ranking mundial de acidentes de trabalho fatais, conforme a Organização Internacional do Trabalho (OIT), sendo que o pagamento dos benefícios previdenciários e acidentários para os segurados e dependentes consomem 90% dos recursos do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Os acidentes mais comuns são quedas de andaime, choque elétrico, soterramento e o trabalhador ser atingido por algum objeto. São dados que revelam a importância de se investir em segurança.

No caso dos calçados, eles são definidos como EPI após diversos testes que garantem sua característica de proteção,obtendo então o Certificado de Aprovação (CA), do Ministério do Trabalho e Emprego. A legislação que trata de EPI no âmbito da segurança e saúde do trabalhador é estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Ela determina a obrigatoriedade de a empresa fornecer o EPI gratuitamente ao trabalhador, e a obrigatoriedade de o EPI ser utilizado apenas com o CA.

Tipos de calçados

Entre os calçados de segurança, há diversas tecnologias empregadas, além de materiais variados, como o couro, borracha, microfibra de alta resistência e até o aço, usado nos bicos de alguns sapatos.

Tudo depende da finalidade do tipo de serviço que o trabalhador irá executar nas mais diversas áreas, como a agrícola, agroindústria, produção, construção civil, estaleiros, frigoríficos, hospitais, indústria alimentícia, energética, mecânica, eletrônica, forças militares, policiais, mineração, montadoras, pavimentação, prestadores de serviços, reflorestamento, serviços de saúde e limpeza.

Os calçados de segurança são projetados para proteger os pés contra muitas lesões, como de impacto, compressão, perfuração, queimadura e umidade. Um dos calçados mais comuns é a botina de couro. Ela é utilizada para proteção dos pés contra torção, escoriações, derrapagens e da umidade. Já as botas de cano médio e alto são recomendadas também para proteção contra o ataque de animais peçonhentos. 

Na área médica e hospitalar, há calçados específicos. Eles devem ser confortáveis, uma vez que os profissionais de enfermagem, nutrição, terapia ocupacional, fisioterapia, farmácia, odontologia, estética, entre outros, costumam se movimentar muito ou ficar muito tempo em uma só posição. 

Os sapatos devem ser fechados e também não devem emitir sons quando o usuário caminha. Isso é importante em um ambiente hospitalar, por exemplo, para evitar o som de toc-toc, o que pode incomodar os pacientes. 

Já no setor de gastronomia, por exemplo, são importantes os calçados com solado antiderrapante, material impermeável e cabedal totalmente fechado, sem aberturas ou frestas. Os riscos mais comuns, neste caso, são queda de objetos sobre os pés, queda em piso escorregadio e pés úmidos pelo constante trabalho com água.

Dicas para o bom uso dos calçados de segurança:

- Experimente o calçado e certifique-se de que é confortável. Caso não seja o tamanho ou modelo ideal, exija a troca.
- Mesmo com o cadarço amarrado, as botas devem ficar confortáveis ao redor do tornozelo e do calcanhar.
- O cadarço deve ser bem amarrado até em cima nos calçados de cano alto, pois ele evita lesão no tornozelo. 
- Se verificar algum dano no calçado, conserte-o ou substitua-o.
- Lembre-se que, em condições de umidade e desgaste, a resistência a choques elétricos dos calçados é reduzida.

 

(fonte: http://noticias.r7.com/dino/saude/brasil-e-o-quarto-pais-em-mortes-por-acidentes-de-trabalho-19052015)